Imprensa

Share page on

Anglo American investe R$ 3,5 milhões em metodologia inédita de treinamento em segurança

Em parceria com a Escola Politécnica da USP, a empresa, que treinou 470 empregados de suas unidades no país, abre o curso para outras empresas

Segurança é um valor para a Anglo American. Investir nesse valor e torná-lo presente em cada ação dos empregados é uma das principais missões da empresa. Para isso, em parceria com o Departamento de Engenharia de Minas e de Petróleo da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo – PMI/Poli/USP, a empresa investiu R$ 3,5 milhões para desenvolver, em 2008, uma nova metodologia de treinamento em segurança. O Programa de Gerenciamento de Risco de Segurança foi responsável por educar 470 empregados da Anglo American no Brasil em um período de três anos, com um total de 25 turmas. Para comemorar essa conquista, a Anglo American anunciou, no encerramento do treinamento da última turma de 2010, a divulgação do curso para as demais organizações do país.  

“O Programa de Gerenciamento de Risco de Segurança é um curso de extrema importância para qualquer empresa, independentemente da área em que atua, por isso, a Anglo American decidiu compartilhar este recurso para as outras empresas. Esse curso serve para mudar o modo como as pessoas pensam. É uma reeducação”, afirma John Landmark, diretor de Exploração da Anglo American Brasil e um dos criadores do programa.

O curso foi criado pela Anglo American em 2008, em parceria com 10 universidades do Chile, Brasil, África do Sul, Canadá, Estados Unidos, Austrália e Reino Unido - todas trabalham em conjunto para garantir a melhor forma de treinamento em segurança. Em todas as operações da empresa, 4.500 pessoas foram treinadas, 470 só no Brasil.

“Para a Unidade Níquel esse número é bastante significativo, parte dele representa o treinamento da liderança de todos os setores da Anglo American / Níquel. Para 2011, esperamos treinar um número ainda maior até conquistarmos 100% de nossos empregados. Nós, da Anglo American, queremos que cada um de nossos empregados volte para casa diariamente sem nenhuma lesão e sabemos que é possível”, enfatiza Walter De Simoni, presidente da Unidade Níquel.

Outra novidade é que, no Brasil, será lançada a Sala de Tele-Ensino na Poli/USP, para que o curso seja ministrado. A Anglo American Brasil e a Universidade de São Paulo firmaram uma parceria onde a mineradora, fornece todo o conteúdo do curso além dos equipamentos necessários. Duas empresas do setor de mineração já estão com as datas marcadas para iniciar os treinamentos, que não devem se restringir apenas a este segmento, mas atingir também as petrolíferas, indústrias químicas e empresas de construção civil.

De acordo com Landmark, o grande diferencial do curso é a unificação global da linguagem de segurança e gestão de riscos. Por isso, qualquer empregado de qualquer planta de qualquer operação do mundo é capaz de compreender os ensinamentos. “Para a Anglo American, este programa é importante porque, além de instituir as regras para uma visão Zero Lesão, é o primeiro a unir toda a empresa em uma só – One Anglo. Merece destaque também o fato de o treinamento ter contribuído, nesses últimos anos, para menos acidentes e menos fatalidades”, destaca o diretor.

“Nossa diretriz de Segurança investe em três pilares fundamentais e diferentes que, juntos, garantem a produção segura e a eficiência operacional. O primeiro deles é o treinamento e capacitação de nossos empregados. O segundo é a disponibilização de equipamentos e infraestrutura adequados e seguros, E, por fim, existem os sistemas de gestão, com procedimentos e técnicas bem desenhadas e implementadas. A disseminação desta filosofia de segurança dentro e fora da empresa permitirá a criação de uma cultura em que a segurança será um valor para cada um de nós”, explica Walter De Simoni.

Segundo Stephan Weber, presidente da Anglo American Minério de Ferro, a iniciativa da Anglo American, além de estar alinhada com uma política interna de prevenção de incidentes, reflete a necessidade de mudar a imagem da atividade de mineração no mundo, geralmente associada a incidentes.

“Devemos sempre lembrar que segurança é algo que se conquista no dia a dia, e isto requer o envolvimento de todos os nossos empregados. A preocupação com a segurança deve ser constante, e o gerenciamento dos riscos deve fazer parte da rotina de cada um. O esforço em busca de Zero Lesão é uma meta que só será atingida com liderança, união e trabalho em equipe”, diz Alexandre Gomes, diretor de Segurança e Desenvolvimento Sustentável da Anglo American Minério de Ferro.

Os Modelos de Gestão de Risco e Segurança da Anglo American:


A Anglo American desenvolve seu Modelo de Gestão Risco e Segurança com base em dois sistemas: o Anglo Safety Way (sistema de gestão de segurança) e o Anglo Health Way, (sistema de gestão de saúde ocupacional). Eles estão compostos por diferentes padrões que envolvem: as Regras de Ouro de Segurança (condutas obrigatórias), o Programa de Gerenciamento de Riscos de Segurança (para identificar as condições perigosas, avaliar o risco,e controlar eventos não desejados), o Programa de Liderança Visível e Percebida (que ensina os líderes a darem o exemplo de comportamento seguro) e o Fatal Risks Standards (protocolos de riscos fatais), entre outros procedimentos.